segunda-feira, 27 de setembro de 2010

32.





Das trevas conheço
O silêncio roubado pela língua...
A poesia feita ao avesso
A palavra abandonada à míngua.

(Defendo a lentidão da informação
A beira do ataque de nervos
Leva anzol com minhoca e mata a ação
Enforca a vontade com teus medos)

Se eu soubesse dos abismos
Criaria uma enorme fresta
Curaria as palavras e seus paroxismos
Chutando bola de alfabeto na floresta.

(Porque só sei que me contaram do barulho
Não ouvi, nem li a reclamação dos batimentos
Devagar em lenta curva traduzi algum sussurro
Fiz bolinha de papel com a escritura, transformei em alimento)

Das formas me falaram a metade
 - Nego a informação do círculo -
Das flores sinto cheiro como em braille
É necessário ter 9 sentidos para alcançar o infinito.

(E se tu pensavas que eu entendia pensamento
Ficou verde esperando a tradução
De lembrança só conheço meu silêncio
Que eu entorno assobiando nossa canção.)

Eu entendo da maldade das formigas
Andando em fila carregando os pedaços
É do inferno a tradução de suas cantigas
São tão maldosas que não usam nem sapatos.

(E a destruição que conheço é lenta
Palavras perdidas arcaizadas nos punhos
Letras mergulhadas no fogo da pimenta
Cartas inteiras abandonadas em rascunhos)


*Crédito da imagem: David Nobrega

6 comentários:

  1. Nem sabia que tu tinha um blog guriazinha, adorei!!!Já tô seguindo, amei a poesia!

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro como tu trabalhas o metapoema, a palavra falando de si e ainda assim permite o caminhar das formigas, o cheiro sentido por sentidos alheios... Diante do poder dos versos, do que será capaz a visão?

    Do rascunho à tela, meus aplausos, sempre, Letícia!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Que dizer Letícia desta poesia tão acutilante mas ao mesmo tempo amorosa.Poesia com essência.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Caminhei pelas ruas da tua poesia, vi formigas vestidas de militares. Suas esquinas subjetivas são sentidos infinitos, seu fogo apimentado, frestas, traduções em cantigas de silêncio. Letícia, como é belo! Bela poesia.

    ResponderExcluir
  5. O teu jeito de se expressar é único, descreve as sensações tão lindamente que se nos entregarmos a leitura, podemos passear por entre as letras...

    Beijo!

    ResponderExcluir